Pular para o conteúdo principal

Começando com PHP, após instalação do Apache e intepretador

Após instalar o apache e interpretador PHP, já é possível começar a programar e visualizar o sucesso ou insucesso de seu programa.
Acesse a pasta raiz do seu servidor: se linux, normalmente '/var/www/', ou windows 'C:\www'.
Crie um arquivo para que você acesse via url.
Por exemplo: 'aprendendo.php'.
Nesse aquivo coloque:

<!DOCTYPE html>
<html>
    <head>
        <title>Aprendendo<title>
    </head>
    <body>
        <h3>Minha página em HTML</h3>
        <h4>
            <?php echo 'Meu código em PHP.'; ?>
        </h4>
    </body>
</html>

Acesse por seu navegador: localhost/aprendendo.php
Aperte Ctrl + U e veja o código que é mostrado.
No próximo post, vou criar um esquema para explicar o que você poderá notar de diferença entre o seu código e o que foi aparecido no código fonte, pelo navegador.

Até a próxima!

Postagens mais visitadas deste blog

Recuperação de stash perdida

Bom pessoal, passei um sufoco bem grande esses dias, onde no frigir dos ovos, eu realizei modificações importantíssimas no meu código, fiz (stash), alterei algumas coisas e no fim, (stash clear). Por que? Falta de atenção, stress, loucura, demência, sei lá.
O fato é que percebi o acontecido somente no próximo dia útil (segunda-feira).
Daí, eu tive que por o cérebro para funcionar, lembrar o erro que havia cometido e escolher formas para chegar aos dois kilos de código alterados na sexta feira...

Uma vez que tudo no git possui um SHA-1 e os índices não são apagados automaticamente (git-gc), o que eu limpei do stash deveria estar em algum lugar do banco de dados do meu repositório GIT local.

Mãos a obra na pesquisa e encontramos um camadara muito útil na documentação do (fsck):
--no-reflog: Do not consider commits that are referenced only by an entry in a reflog to be reachable. This option is meant only to search for commits that used to be in a ref, but now aren’t, but are still in tha…

Arrays no PostgreSQL

Aquele mesmo projeto que estou trabalhando me exigiu aprender como adicionar um array em tabelas do PostgreSQL. É algo bem simples de se utilizar. Vamos começar criando uma tabela que recebe os arrays:
CREATE TABLE entrada (
  id SERIAL PRIMARY_KEY,
  nf integer,
  data_reg timestamp without time zone DEFAULTnow(),
  data_inst timestamp without time zone,
  descricao text,
  materiais text[][],
  funcionario varchar(50)
)

Criei uma tabela chamada entrada, que serve para registrar materiais vindos para a instituição. As rows possuirão: id (PRIMARY_KEY),nf (número de nota fiscal),data_reg (data em que a query será registrada),data_inst (data que entrou na instituição),descricao (qualquer observação que precisem colocar)funcionario (id do funcionário que realizou a operação)materiais (É nesse momento que inserimos os arrays...Nesse caso, criei um campo (materiais), que é um array de arrays.  Coloco o tipo de campo, no caso text e o que define-o como array "[]", coloquei os colchetes dua…

View em PostgreSQL

Estou fazendo um programa de almoxarifado e decidi me aventurar no Postgres. Por coincidência acabei estudando bancos de dados em geral. Aprendi uma maneira muito simples de aumentar a velocidade do programa e reaproveitar código. Ao utilizar uma view, os dados já ficam pré-recarregados no servidor, então ao retirar os dados, você não está fazendo uma consulta completa no DB, pois ela já foi efetuada. Mão na massa...
Tenho as seguintes tabelas:

CREATE TABLE material (
  id SERIAL PRIMARY KEY,  -- auto_increment da ID
  nome varchar(200),      -- Nome
  modelo varchar(100),    -- Modelo
  tipo int,               -- Tipo (Pego em tabela tipo)
  marca int,              -- Marca (Pego em tabela marca)
);


CREATE TABLE tipo (
  id SERIAL PRIMARY KEY,  -- auto_increment da ID
  tipo varchar(100),      -- Tipo de produto
);
CREATE TABLE marca (
  id SERIAL PRIMARY KEY,  -- auto_increment da ID
  marca varchar(100),     -- Marca do produto
);
Vamos somente adicionar alguns valores para que tenha…